Pé diabético

O pé diabético é uma complicação frequente no paciente diabético de longa data, e que, se não tratada a tempo, pode levar à amputação do pé e até a morte. Ela acomete as pessoas portadoras de diabetes que estão com as taxas de glicose mal controladas, sendo que os principais sintomas são decorrentes de complicações crônicas do diabetes: lesões dos nervos (neuropatia periférica), lesões dos vasos sanguíneos e agravado por infecção. Na maioria dos casos, um pequeno trauma no pé, causado pelo sapato inadequado, por exemplo, inicia a lesão no pé que pode se estender se não for tratada a tempo.

Lesões, aparentemente simples, em uma pessoa com neuropatia e/ou obstruções vasculares causadas pelo diabetes podem ser extremamente graves:

  • Lesão no pé como bolha, erosão, pequeno corte ou úlcera;
  • Micoses nos pés;
  • Calosidades;
  • Dedos em forma de garra;
  • Inflamação óssea.

Dados do Ministério da Saúde mostram que 70% das amputações de membros inferiores no Brasil são decorrentes do pé diabético, sendo necessários cerca de 60 mil procedimentos por ano. 85% dessas amputações são precedidas de úlceras e mais de 50% dos casos acontecem em pessoas com mais de 60 anos.

Para o cirurgião vascular da Angiomedi, Antônio Carlos de Souza, o problema é que grande parte desses pacientes não conseguem acesso a tratamentos na saúde suplementar. “A dificuldade para obter esse atendimento especializado aumenta os riscos da evolução da doença, fazendo com que muitas vezes, o paciente comece o tratamento quando não há mais chances de cura.”

Mas a boa notícia é que a doença é evitável. A medida de maior impacto é a prevenção! Com algumas medidas simples, o diabético pode evitar as complicações, como:

  • Controlar as taxas glicêmicas, fazendo check-ups regularmente;
  • Inspecionar diariamente os pés, procurando por feridas causadas por pequenos ferimentos e alterações (no caso de impossibilidade em fazer a análise, pedir ajuda);
  • Lavar os pés diariamente com água morna e secar bem, especialmente entre os dedos;
  • Trocar as meias todos os dias e evitar aquelas com costuras internas ou externas;
  • Evitar cuidar dos ferimentos por conta própria, procurando sempre a ajuda de um profissional.

O pé diabético é uma complicação frequente no paciente diabético de longa data, e que, se não tratada a tempo, pode levar à amputação do pé e até a morte. Ela acomete as pessoas portadoras de diabetes que estão com as taxas de glicose mal controladas, sendo que os principais sintomas são decorrentes de complicações crônicas do diabetes: lesões dos nervos (neuropatia periférica), lesões dos vasos sanguíneos e agravado por infecção. Na maioria dos casos, um pequeno trauma no pé, causado pelo sapato inadequado, por exemplo, inicia a lesão no pé que pode se estender se não for tratada a tempo.

Lesões, aparentemente simples, em uma pessoa com neuropatia e/ou obstruções vasculares causadas pelo diabetes podem ser extremamente graves:

  • Lesão no pé como bolha, erosão, pequeno corte ou úlcera;
  • Micoses nos pés;
  • Calosidades;
  • Dedos em forma de garra;
  • Inflamação óssea.

Dados do Ministério da Saúde mostram que 70% das amputações de membros inferiores no Brasil são decorrentes do pé diabético, sendo necessários cerca de 60 mil procedimentos por ano. 85% dessas amputações são precedidas de úlceras e mais de 50% dos casos acontecem em pessoas com mais de 60 anos.

Para o cirurgião vascular da Angiomedi, Antônio Carlos de Souza, o problema é que grande parte desses pacientes não conseguem acesso a tratamentos na saúde suplementar. “A dificuldade para obter esse atendimento especializado aumenta os riscos da evolução da doença, fazendo com que muitas vezes, o paciente comece o tratamento quando não há mais chances de cura.”

Mas a boa notícia é que a doença é evitável. A medida de maior impacto é a prevenção! Com algumas medidas simples, o diabético pode evitar as complicações, como:

  • Controlar as taxas glicêmicas, fazendo check-ups regularmente;
  • Inspecionar diariamente os pés, procurando por feridas causadas por pequenos ferimentos e alterações (no caso de impossibilidade em fazer a análise, pedir ajuda);
  • Lavar os pés diariamente com água morna e secar bem, especialmente entre os dedos;
  • Trocar as meias todos os dias e evitar aquelas com costuras internas ou externas;
  • Evitar cuidar dos ferimentos por conta própria, procurando sempre a ajuda de um profissional.
Menu
WhatsApp chat

Este site usa cookies para melhorar a sua experiência. Para saber como alterar as configurações de cookies do seu navegador, clique aqui.

Ao continuar navegando, entenderemos que você concorda com nossos termos de uso, política de privacidade e política de cookies.

Abaixo, você pode escolher que tipo de cookies você permite neste site. Clique no botão "Salvar configurações de cookies" para aplicar sua escolha.

FuncionaisNosso site usa cookies funcionais. Esses cookies são necessários para permitir que nosso site funcione.Ao continuar navegando, entenderemos que você concorda com nossos termos de uso, política de privacidade e política de cookies.

AnalíticosNosso site utiliza cookies para possibilitar a otimização para fins de usabilidade.

Mídias sociaisNosso site coloca cookies de mídias sociais para mostrar a você conteúdo de terceiros. Esses cookies podem rastrear seus dados pessoais.

PropagandaNosso site coloca cookies de publicidade para mostrar anúncios com base em seus interesses. Esses cookies podem rastrear seus dados pessoais.

OutrosNosso site coloca cookies de terceiros de outros serviços que não são analíticos, de mídias sociais ou de publicidade.